O QUE MEDE ?

MEDINDO O PROGRESSO SOCIAL

O índice mede diretamente o progresso social de forma independente do desenvolvimento econômico. Ele é baseado em um modelo holístico e rigoroso que define o progresso social com base em 54 indicadores de resultados sociais e ambientais. Tanto o modelo como a metodologia, são o resultado de um processo de dois anos em que utilizou uma ampla gama de especialistas acadêmicos e políticos. O modelo sintetiza um amplo conjunto de pesquisas em numeroso campos, a fim de identificar e medir as múltiplas dimensões do desempenho social e ambiental de diversas sociedades.

Como desenhamos o índice?

Utilizando apenas estes tipos de indicadores:

  • Indicadores exclusivamente sociais e ambientais: Nosso objetivo é medir o progresso social de forma direta e não por meio de indicadores econômicos.
  • Resultados, não contribuições: Nosso objetivo é medir os resultados que são importantes para a vida das pessoas, e não o custo ou os esforços para alcançá-los.
  • Aplicabilidade: O índice pretende ser uma ferramenta prática e específica suficiente para ajudar os líderes e profissionais do governo, de empresas e da sociedade civil a avaliar comparativamente o desempenho e implementar políticas e programas que promovam o progresso social de forma mais acelerada.
  • Relevância para todos os países: o nosso objetivo é criar um modelo de mensuração holística do progresso social que avalie o bem-estar das sociedades em todos os níveis de desenvolvimento.

Mas o que queremos medir?

O modelo do Índice de Progresso Social, como sugerido por esta definição, se concentra em três questões diferentes (porém relacionadas), que chamamos de dimensões:

  • Um país satisfaz as necessidades mais essenciais de seu povo?
  • Existem elementos fundamentais para as pessoas e as comunidades aumentem e mantenham o seu bem-estar?
  • Existe oportunidade para cada pessoa alcance o seu potencial pleno?

Estas três questões definem as três dimensões do Progresso Social: Necessidades Básicas, Fundamentos de Bem-Estar e Oportunidades.

O que se entende por Necessidades Básicas?

Necessidades básicas, avalia o grau em que um país satisfaz as necessidades essenciais de sua população, medindo se as pessoas têm alimentos suficientes, se estão recebendo cuidados médicos básicos, se possuem acesso à água potável, se possuem moradia adequada com serviços públicos básicos, e se estão seguros e protegidos.

Em que consistem os Fundamentos de Bem-Estar?

Fundamentos de bem-estar mede se a população tem acesso à educação básica, à ideias e informações provenientes de dentro e ou de fora de seu país, e se possui mais do que cuidados básicos de saúde; e, consequentemente, se a população pode levar uma vida saudável. Esta dimensão também mede o cuidado com ar de um país, sua água e sua terra, recursos essenciais para o bem-estar atual e futuro.

Qual é a definição de oportunidade?

Oportunidades, mede o grau em que a população de um país é livre de restrições aos seus direitos, se é capaz de tomar suas próprias decisões pessoais, e se há preconceito ou hostilidade em uma sociedade que impeçam as pessoas de alcançar seu potencial. Esta dimensão inclui também a medida em que o ensino superior é acessível à todas as pessoas do país, que desejam ampliar seus conhecimentos e habilidades. A educação superior abre oportunidades pessoais quase ilimitadas. Uma das características que distingue o modelo do Índice de Progresso Social, é que este integra a dimensão Oportunidades na definição do Progresso Social. Oportunidade é um aspecto do bem-estar humano é muitas vezes ignorado, ou excluído.

Para avaliar cada uma dessas dimensões, podemos desagregá-las ainda mais em componentes específicos, que juntos, permitem-nos medir o sucesso de um país. (ver figura 1.1).

im1 Figura 1.1.- Modelo IPS

Após as das três dimensões, como é calculado o índice?

Este modelo de três dimensões com quatro componentes cada uma, procura capturar um conjunto inter-relacionado de fatores que se combinam para produzir um determinado nível de progresso social. O objetivo é alcançado através da pontuação do Índice de Progresso Social, que consiste em uma média simples das três dimensões do progresso social. Cada dimensão, por sua vez, é a média simples de seus quatro componentes.

Para cada um dos componentes do modelo, pesquisamos a literatura a fim de compreender todos os principais pontos de vista já publicados e, em seguida, realizamos uma extensa pesquisa de indicadores adequados. O resultado deste processo de seleção e pesquisa levou que os componentes tivessem entre três e seis indicadores. Os indicadores incluídos no nível dos países, foram selecionados porque são devidamente medidos, com metodologia rigorosa, e publicados pela mesma organização, para todos (ou quase todos) os países da nossa amostra. E para atender também nossos objetivos de transparência e de replicação independente, cada indicador deve estar disponível gratuitamente ao público. De acordo com os dados disponíveis, conseguimos incluir 132 países no Índice de Progresso Social 2014. Cada indicador, por componentes, e suas fontes podem ser encontrados no relatório do Índice de Progresso Social 2014.

Para que usamos a análise fatorial dos componentes principais?

Utilizamos análise fatorial dos componentes principais para determinar os pesos dos indicadores de cada um dos componentes. Desta maneira reduzimos uma série de indicadores em um único componente.Isso evita problemas de contagem dupla, onde dois ou mais indicadores de um componente podem ser estreitamente relacionados no que medem. Através deste processo, descobrimos que a análise fatorial ponderou muitos indicadores de forma quase igual dentro de seus respectivos componentes, revelando uma boa seleção de indicadores para medir o conceito do componente. O Apêndice 2 do Relatório Metodológico, mostra os pesos de 2014.

Qual é a escala de medição utilizada no IPS?

As pontuações do Índice de Progresso Social , em seus componentes e suas dimensões são baseadas em uma escala de 0 a 100. Esta escala é determinada pela identificação, para qualquer país, do melhor e pior desempenho em cada indicador, nos últimos 10 anos; estes dados foram usados ​​para definir o limite máximo (100) e o mínimo (0). Isso permite que a pontuação do Índice de Progresso Social seja avaliada em relação a comparações realistas, em vez de medidas abstratas. Assim, a utilização da escala permite acompanhar o desempenho absoluto, e não apenas o relativo, dos países no tempo, para cada um dos componentes do modelo.